Contaminação Físico-Química

Pedimos ao leitor que não se preocupe em excesso após ler o material aqui apresentado sobre os sintomas e efeitos tóxicos dos metais e substâncias químicas relacionadas, pois normalmente a concentração desses elementos químicos na água potável distribuída pela rede pública no Brasil é pequena. Alguns desses produtos podem causar mudanças no gosto da água antes de atingir parâmetros considerados perigosos, o que pode servir de alerta aos consumidores. Entretanto, se houver suspeita de contaminação por resíduos industriais ou agrícolas, e os níveis de contaminantes dissolvidos na água não forem controlados, estes poderão provocar sérios problemas à saúde de seres humanos e animais.

A seguir, relacionamos diversos metais e os problemas que quantidades acima dos limites permitidos pode ocasionar à saúde.

Note que a sigla NMC significa Nível Máximo de Contaminantes (considerado a limite de segurança máximo) permitida pela EPA (Environmental Protection Agency, dos Estados Unidos) e pelo Ministério da Saúde, no Brasil.

. ALUMÍNIO : NMC = 0,2 mg/l
O sulfato de Alumínio é utilizado nas estações de tratamento de água como floculante primário para retirar lodo e barro. Outras fontes são antiácidos estomacais, panelas de alumínio e recipientes para enlatar alimentos. Existem evidências de que elevados níveis de Alumínio
estejam associados a fraturas por osteoporose, doença de Alzheimer, Parkison, hiperatividade e dificuldade de aprendizado em crianças.

. AMIANTO : NMC = 7 milhões de fibras/ litro
É proveniente de depósitos naturais ou de desgaste dos reservatórios de cimento amianto. Aumenta o risco de desenvolver pólipos intestinais.

. ARSÊNICO : NMC = 0,05 mg/l
Os primeiros sintomas do envenenamento crônico por Arsênico são semelhantes aos sintomas das enfermidades genéricas mais comuns, fazendo com que, nestes casos, seja difícil estabelecer um diagnóstico. Este tipo de envenenamento torna o indivíduo cansado, letárgico e deprimido. Outros sintomas são o aparecimento de linhas claras nas unhas dos dedos dos pés e das mãos, perda de peso, náuseas e diarréia alternadas com prisão de ventre e perda de cabelos. O Arsênico é altamente tóxico e, infelizmente, encontra-se bastante difundido no meio ambiente por ser encontrado naturalmente no solo, agravado por ser usado intensivamente em pesticidas.


. BÁRIO : NMC = 1,0 mg/l

Por não haver estudos suficientes sobre os efeitos tóxicos do Bário, o NMC atinge um nível bastante grande de proteção. Alta concentração desse metal pode causar graves alterações no coração, veias, artérias e sistema nervoso, podendo causar paralisação nas terminações nervosas quando em altas doses. Uma dose de 550 a 600 mg é fatal para o ser humano.


. CÁDMIO : NMC = 0,005 mg/l
Os sintomas de contaminação por Cádmio são similares aos efeitos de envenenamento por alimentos. Pode ser provocada pela corrosão de canos galvanizados ou por resíduos de galvanoplastia e tintas. Acima de 325 mg pode ser fatal. Os primeiros sintomas já podem aparecer apenas com 10 mg. Está associado a doenças no fígado e à hipertensão. Há algumas evidências que o Cádmio pode ser responsável por mutações.


. CROMO : NMC = 0,05 mg/l
Está provado que a presença de Cromo em ecossistemas de água doce ou marinhos afeta negativamente as vida dos seres presentes. Seu efeito quando presente na água potável não está totalmente definido. Sabe-se que o Cromo, quando inalado, causa tumores nos pulmões e afeta negativamente os rins, fígado e sistema circulatório.


. COBRE : NMC = 1 mg/l

Sua ausência causa anemias, perda de pigmentação dos cabelos, aumenta a inibição e propicia perda da elasticidade arterial. Altos níveis de vitamina C inibe a boa absorção do Cobre. Entretanto, água contendo mais de 1 mg/l fornece muito mais Cobre do que o necessário e possui sabor desagradável para a maioria das pessoas. O Cobre é altamente tóxico para as crianças e adultos com problemas de metabolismo. A absorção excessiva de Cobre é favorecida pela presença de Zinco, Prata, Cádmio e Sulfatos na dieta alimentar.

. CHUMBO : NMC = 0,05 mg/l
O Chumbo pode apresentar-se naturalmente ou como resultado de contaminação industrial ou envelhecimento nos canos dos sistemas de distribuição de água. Se os encanamentos ou as torneiras contiverem Chumbo em sua composição, altos níveis desse metal serão encontrados na água pelas manhãs, após o contato havido durante toda a noite. O Chumbo é um veneno que se acumula gradativamente, e os sintomas do envenenamento são difíceis de serem distinguidos de outras doenças em estágios iniciais. Entre os sintomas iniciais, reversíveis, destacam-se dores abdominais, perda de apetite, constipação intestinal, fadiga, distúrbios do sono e diminuição das atividades físicas. Longas exposições podem provocar danos os fígado, anemia e distúrbios ao sistema nervoso, incluindo danos ao cérebro, podendo levar até óbito.


. FERRO : NMC = 0,3 mg/l

Sua presença em água potável favorece o aparecimento de microorganismos patogênicos, que necessitam de Ferro para se desenvolver. A disponibilidade de Ferro na natureza ainda não foi adequadamente estudada. É sabido que sua presença influencia a absorção de Cobre a Chumbo.

. MAGNÉSIO : NMC não determinado
Em média, um adulto consome diariamente cerca de 480 mg de Magnésio. Qualquer excesso é rapidamente expelido pelo organismo. Não há limite superior em água potável estabelecido para este metal. Entretanto, para pessoas com problemas renais, o Magnésio pode causar problemas por causar reações tóxicas, provocar fraqueza muscular, coma, hipertensão e confusão.


. MANGANÊS : NMC = 0,05 mg/l

O excesso de Manganês na dieta alimentar impede a atuação do Ferro na produção da hemoglobina do sangue. Em altas doses, causa apatia, irritabilidade, dores de cabeça, insônia e fraqueza nas pernas. Sintomas de distúrbios psicológicos podem aparecer, tais como a prática de atos impulsivos, ausência de memória, alucinações, agressividade e euforia desmedida. Finalmente, pode ocasionar o aparecimento de doença similar ao Mal de Parkisson.


. MERCÚRIO : NMC = 0,001 mg/l

Entre os sintomas de envenenamento por Mercúrio incluem-se fraqueza, perda de apetite, insônia, indigestão, diarréia, inflamação e aparecimento de regiões escuras nas gengivas, perda dos dentes, irritabilidade, perda da memória, tremores nas mãos, pálpebras, lábios e língua. Em níveis mais elevados, o Mercúrio produz alucinações, psicoses maníaco-depressivas, gengivites, irritabilidade crescente, tremores musculares e danos cerebrais irreversíveis. Estes problemas têm ocorrido em algumas regiões do País, onde os cursos de água doce foram contaminados durante o garimpo de ouro.


. SELÊNIO : NMC = 0,01 mg/l

Um efeito reconhecido de envenenamento por Selênio é uma inibição crescente. Há evidências de que o Selênio está relacionado com a descoloração da pele, maus dentes e alguns problemas psicológicos e gastrointestinais. Por outro lado, uma pequena quantidade de Selênio foi encontrada como proteção para os efeitos danosos de outros metais pesados, como Mercúrio, Cádmio, Prata e Thallium.


. PRATA : NMC = 0,05 mg/l

A primeira evidência do excesso de Prata no organismo é a coloração cinza azulada permanente da pele, mucosas e olhos. Grandes doses de Prata podem ser fatais.


. SÓDIO : NMC = 160 mg/l

Regiões onde a água é pesada, altamente mineralizada e com grande conteúdo de sódio mostram pequeno índice de mortes por doenças cardiovasculares. Isto não significa que, em certos indivíduos, pouco Sódio na dieta alimentar é a razão da baixa pressão sangüínea. Dependendo da idade, condição geral de saúde e sexo, o Sódio presente na água potável pode ser um problema.